São Paulo cria 42 mil vagas com carteira assinada em maio, São Bernardo (1.235) e São Caetano (1.194) tiveram os maiores saldos de emprego

São Paulo cria 42 mil vagas com carteira assinada em maio, São Bernardo (1.235) e São Caetano (1.194) tiveram os maiores saldos de emprego
Vinte e um alunos da Escola de Educação Especial Primavera, no Tarumã, receberam na manhã desta terça-feira (02) a carteira de trabalho. Foto: Valdecir Galor/SMCS

Nos cinco primeiros meses deste ano, o estado registrou a criação de 328 mil novas vagas. Em todo o país, um milhão de postos formais foram criados de janeiro a maio de 2024

São Paulo é a unidade da Federação que mais novos postos formais de trabalho criou em maio, tendo gerado 42.355 novos empregos com carteira assinada, resultado de 683,3 mil admissões e 640,9 mil desligamentos. Com isso, nos cinco primeiros meses deste ano, foram criadas no estado 328,6 mil novas vagas. Os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Novo Caged) foram divulgados na quinta-feira, 27 de maio, pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE).

Todos os cinco grandes grupamentos de atividades econômicas tiveram saldos positivos em São Paulo em maio, com destaque para o setor de Serviços (18.781 vagas), seguido por Agropecuária (14.476), Indústria (5.732), Construção (2.677) e Comércio (688).

A capital de São Paulo, foi o município com maior saldo positivo de empregos criados: 10.517, o que elevou o estoque na cidade a um total de 14,1 milhões de pessoas formalizadas no mercado de trabalho. Na sequência dos maiores saldos de maio aparecem Matão (3.452), Bebedouro (2.123), Capela do Alto (1.332), São Bernardo do Campo (1.235) e São Caetano do Sul (1.194).

ESTOQUE RECORDE – O Brasil registrou em maio um estoque de trabalho com carteira assinada de 46,6 milhões de pessoas. Trata-se do maior número da história do país. Em maio de 2023, o estoque brasileiro era de 44,93 milhões de trabalhadores. Ou seja, nos últimos 12 meses, entre junho de 2023 e maio de 2024, o país registrou um saldo de 1.674.775 novos empregos com carteira assinada criados em todo o país.

ESTADOS – Das 27 unidades da Federação, 26 apresentaram saldo positivo na geração de empregos em maio. Três estados se destacaram por terem abertos mais de 15 mil novos postos. São Paulo lidera a lista, com 42.355 novos empregos com carteira assinada no mês. Em seguida aparecem Minas Gerais (19.430) e Rio de Janeiro (15.627). Devido à crise climática, o Rio Grande do Sul registrou saldo negativo em maio, com -22.180.

GRUPAMENTOS – Todos os cinco grandes grupamentos de atividades econômicas registraram saldos positivos em maio. O setor com maior geração de postos de trabalho foi o de Serviços, com saldo de 69.309 vagas. Em seguida aparecem a Agropecuária (19.836), a Construção (18.149), a Indústria (18.145) e o Comércio (6.375). No acumulado do ano, de janeiro a maio, o saldo também ficou positivo em todos os cinco grandes grupamentos. O maior crescimento foi registrado no setor de Serviços, com saldo de 623.920 postos formais, totalizando 57,3% dos empregos gerados no ano, com destaque para atividades de administração pública, defesa, seguridade social, educação, saúde humana e serviços sociais, que geraram 244.444 postos, e para as atividades de Informação, comunicação e atividades financeiras, imobiliárias, profissionais e administrativas, com geração de 230.689 postos formais.

GRUPOS POPULACIONAIS – Em maio, o saldo ficou positivo para mulheres (64.631) e para homens (67.180). No que se refere à população com deficiência, o saldo foi negativo, com -79 postos de trabalho. No quesito cor, o saldo foi positivo para pardos (194.312), brancos (78.028) e pretos (37.217), ficando negativo para amarelos (-733) e indígenas (-98).